segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Conversa De Diário




Parece loucura, eu sei que não é real, é meio complicado, mais sou tão sozinha e tímida que prefiro derramar as minhas palavras em meio às lágrimas que escorrem sem parar dos meus olhos e se misturam nas folhas desse diário, junto com a tinta preta da caneta que já está chegando ao fim.
Oh! Querido diário,
Se o nosso coração tivesse o poder de escolher quem vamos amar, assim como ele tem o poder de amar e ser amado intensamente, tudo seria mais fácil.
Porque a gente nunca sabe de quem vai gostar, assim seria mais fácil preparar os sentimentos, e deixar um lugar reservado para quando ele for despedaçado, ser montado novamente como o nosso quebra cabeças preferido, que deixamos em um canto pronto para ser montado a qualquer momento.
Como eu queria remontar aquele momento, as nossas vozes se misturando com o vento, às mãos dele no meu cabelo, o beijo tão doce, tudo tão típico de uma cena de amor.
Eu preferia que tudo não passasse de um sonho, assim eu poderia voltar a dormir e tentar sonhar novamente, o que dói mais é saber que tudo foi real, mais passageiro, talvez a culpa seja minha por transformar tudo em uma linda história de amor, se simplesmente eu o beijasse e esquecesse tudo depois, a dor seria menor, ela nem sequer existiria no meu coração, eu estaria feliz e seguindo em frente como qualquer garota normal.
Repito para mim várias vezes, e escrevo para não resta dúvidas:
Você tem certeza que foi real? Pode ter sido apenas um sonho.
E a resposta é sempre a mesma, aquela que sempre vem primeiro porque está escrito bem aqui, no meu eterno companheiro de conversa, o diário.
“Foi real naquele momento, eu que transformei tudo em um sonho que nunca existiu.”



domingo, 14 de novembro de 2010

E é isso a amizade e ponto final


Éramos um grupo de amigos, não tão grande como os outros, mais também não tão pequeno.
Talvez chegasse a dez, mais prefiro não contar quantos foram os meus amigos verdadeiros.
Prefiro lembrar os momentos bons e ruins que passamos juntos, não que eu queira voltar atrás, na verdade o que quero é continuar seguindo em frente, e junto vai à corrente que formei com eles.
Com essa amizade aprendi muito e sei que ainda há mais para ver e aprender.
Aprendi que cada um tenta ajudar o outro a sua maneira, que todos eles querem muito bem a mim e a cada amigo do nosso grupo, que mesmo que as vezes eles não vejam que estão exagerando, não foi por mal, que todos somos muito amigos, mesmo que cada um demonstre do seu jeito, que tenha mais intimidade para conversar com um, e aconselhar outro.
Aprendi também que o que importa é sentir que a amizade é verdadeira e aceitar cada um do jeito que é só assim nossa amizade vai continuar a crescer.
E é isso a amizade para mim e ponto final, nada vai me fazer mudar de idéia, estou certa disso.

------------------------------------------------------------------------------------------
História para 40ª Edição conto/história do bloínquês inspirada na minha amizade com meus amigos e amigas, na corrente bonita que estamos construindo, entre lágrimas e sorrisos, tempestades e dias de sol.


sábado, 13 de novembro de 2010

Resenha: O morro dos ventos uivantes

Gente como nem sempre estou inspirada para criar textos (estou em uma fase bem compositora e não escritora), agora vou fazer também resenha de livros. É sempre bom saber a opinião de outros sobre livros e várias outras coisas (pelos menos na minha opinião).
Continuando a resenha de hoje, a primeira do blog, vai ser sobre O morro dos ventos uivantes.

Sinopse:
Único romance escrito por Emily Brontë, "O MORRO DOS VENTOS UIVANTES", foi publicado em 1847 e atribuído a um certo “Ellis Bell”. Hoje considerado um clássico da literatura inglesa, caracterizado como uma história de amor amaldiçoado e de vingança, e visto como a mais intensa história de amor já escrita na língua inglesa, recebeu fortes críticas no século XIX, época em que foi lançado. Um ano antes, as três irmãs Brontë Charlotte, Emily e Anne haviam publicado uma coletânea de poemas em nome de “Currer, Ellis e Acton Bell”. Nos círculos literários ingleses era crença generalizada que as “Irmãs Brontë” e os “Irmãos Bell” fossem as mesmas pessoas. No entanto, o simples crédito deu margem a controvérsias: que “Bell” seria, realmente, qual das irmãs Brontë? Correntes de críticos afirmavam que os três pseudônimos pertenciam na realidade à Charlotte; outros sugeriam que os demais pseudônimos “Bell” não se relacionavam com nenhuma das irmãs, e se referiam a seu Irmão Branwell. Críticos da época reagiram com indiferença à obra, comparando-a desfavoravelmente com “Jane Eyre”, de Charlotte Brontë, enquanto outros achavam o livro excessivamente mórbido e violento. Finalmente, a reavaliação crítica gradual encabeçada pela própria Charlotte resultou no reconhecimento do gênio de Emily e na aceitação d' O MORRO DOS VENTOS UIVANTES como uma obra-prima singular, representando um distanciamento radical da tradição vitoriana de romance, fortemente influenciado pelo estilo de Percy Shelley em sua poesia, pelo ar gótico e rebuscado de Isaac Watts, autor do primeiro romance gótico “O Castelo de Otranto” e por Mary Shelley, autora de “Frankstein” e “O Último Homem”. O MORRO DOS VENTOS UIVANTES possui características ímpares diante de seus contemporâneos: enquanto outros se baseavam em ações complexas, geralmente tortuosas, sua estrutura dramática era resultado do choque de vontades, através de uma rica mistura de romantismo e realismo, transbordando de paixão, turbulência e misticismo. O MORRO DOS VENTOS UIVANTES já foi adaptado mais de vinte vezes para o cinema, rádio e TV. A versão de William Wyler de 1939, estrelada por Merle Oberon como Cathy e Laurence Olivier como Heathcliff, é considerado um dos grandes clássicos do cinema até os dias de hoje, indicado para sete categorias da mais importante premiação do cinema e vencedora do prêmio por sua fotografia; as versões mais recentes são as de 1992, estrelada por Juliette Binoche e Ralph Fiennes, e uma modernização para os dias de hoje, produzida pela MTV em 2003.


Minha opinião:
É um livro fascinante, apesar de ter algumas partes do livro que a linguagem é tão bem elaborada que chega a ser díficil de entender, mais nada muito grave um dicionário em mãos já resolve o problema.
A maldade de Heathcliff te causa muita raiva e ódio dele, mais o seu amor por Cathy apesar de bem complicado, e de ter passado por tanta coisa que os dois nem chegam a ficar realmente juntos, é emocionante.
A história tem mais momentos ruins do que bons, doenças, mortes, mal tratos tem de sobra, mais também sobrou espaço para o amor e a amizade que vence qualquer barreira.
Eu não dou nota dez no livro, mais ele merece com certeza um nove.
O livro está custando R$ 45,00 reais na saraiva.
Se tiver um amigo que te empreste ( o que foi o meu caso),ótimo.
Mais recomendo muito que leiam, até mesmo para se adaptar com a linguagem diferente.
 
Quem já leu esse livro? O que acharam dele?
E quem quer ler? Me conta tudo

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Não deixe a dor estragar a felicidade


Que mania de estragar aquela felicidade maravilhosa que faz seu cabelo brilhar, seus olhos reluzir ainda mais, seu sorriso se abrir sem nenhum esforço, porque de uma dor qualquer.
Tá certo que as vezes a dor é muito grande, e dependendo do tipo de dor seria um desrespeito está sorrindo.
Mais já repararam como é fácil sofrer? É porque dessa coisa que tem dentro da gente que sempre sofre primeiro para depois sorrir, ou então é feliz e porque de uma dor acaba nunca mais sorrindo.
Pode parecer exagero para alguns, mais eu bem sei que tem gente assim.
O melhor a se fazer nesse caso é :
1- Não sofra por ninguém, trate de ser feliz e amar primeiro a você.
2-Chorar as vezes é bom, mais não prolongue o choro por mais do que o necessário.
3-Nunca deixe ninguém apagar o que tem de mais bonito em você: Seu sorriso.
4-Tem certos tipos de dores que demoram para passar, mais ficar ao lado de amigos sempre ajuda.
5-Se olhe no espelho e tente ver lá no fundo o que está te fazendo sofrer, e arranque-a de você o mais rápido possível, assim você vai ver que sorrir é ainda mais fácil, basta querer.


P.S Muito tempo sem postar aqui, como estudo as vezes fica mas complicado se inspirar e prestar atenção nos assuntos que vão cair na prova, mais vou tentar postar sempre ou pelo menos uma vez na semana.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Este selinho é um charme mesmo e eu amei

Ganhei esse selinho da Lalla Russo, eu amei ele é tão fofo.
Vamos as regras
*Responder a pergunta- O que você têm na bolsa neste exato momento?
Serve o estojo da escola? Estou com ele na mão agora e tem caneta azul e preta que é as que tem que ter sempre, canetinhas coloridas daquelas em gel com cheirinho de frutas que eu amo, marcador de texto rosa, lápis, borracha, uma foto minha, meu chaveirinho fofo uma japonesinha linda, minhas chaves, brilho labial que não sai de lá. Nossa é possível ter tudo isso em um estojo pequeno? Até eu me espantei.
* Passar para dez blogs
Ainda teria que indicar mais quatro então faz assim todos os meus seguidores que gostarem e não tenham ainda esse selinho pode pegar.

*Dizer quem te passou o selinho



segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Entre a primavera e o inverno. É lá que está nosso amor


A primavera sempre trás junto muita alegria, o cheiro das flores com suas variadas cores, os pássaros se encantam com o colorido dos jardins e cantam alegremente.
A borboleta sai do casulo descobrindo um mundo lindo e colorido, visto de outro ângulo.
É tudo fascinante e lindo, não me canso de admirar a minha estação do ano preferida.
A primavera sempre me trouxe coisas boas, não tinha um mês das flores que eu estivesse triste, mais agora tudo mudou porque você não está aqui ao meu lado, essa primavera não me trouxe a alegria e sim a tristeza.
Eu queria que você estivesse aqui comigo, mas estamos presos onde estamos, é tão difícil, você está tão longe.
Há como eu queria está sorrindo com você, correndo entre as lindas flores amarelas que preparamos para a chegada da primavera, foi nela que nós conhecemos e compartilhamos o gosto pela leve brisa, pelo reluzir do sol, o belo canto dos pássaros e pelas flores com todas as suas belas cores.
Mais agora com essa distância eu fiquei só com a metade da primavera, a outra metade está com você nesse inverno congelante que agora você vive.
A metade vazia da minha primavera está coberta de neve, me pego pensando em você ai nessa cidade tão gelada, tendo que estudar e se agasalhar tão bem.
É tão triste eu aqui e você ai, metade do meu coração se preenche de primavera e lembranças do nosso amor, a outra metade se enche de neve e saudades de você.


quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Selinho da Marcella

Ganhei esse selinho da Marcella Giroldo, o blog dela é fantástico e quem não conhece ainda vale a pena visitar.
Eu indico esse selinho para todos os meus seguidores, porque vocês são master importantes para o blog.

sábado, 28 de agosto de 2010

O amor é como...

Imagem do tumblr
Às vezes eu pego uma antiga fotografia e fico pensando o que é o amor.
Muitas possibilidades me vêm à mente quando me vejo naquela foto feliz com o meu amado, naquele dia estava chovendo, nós estávamos molhados e felizes.
O amor é como um dia de chuva que vem para alegrar corações com seus pingos gelados em uma tarde de inverno.
É como o sorriso de um casal apaixonado que contagia até a pessoa mais triste do parque.
É como o abraço protetor de quem se ama, nós faz sentir protegidos mesmo quando caímos no chão.
Mesmo com todos os seus lados positivos o amor pode se tornar ruim quando acaba.
Guardo aquela fotografia agora molhada em lágrimas e me esqueço dos sorrisos, do abraço e dos pingos de chuva que ali tinham, agora vejo os pontos negativos só penso em como agora é o amor para mim.
O amor é como os dias de chuva que estragam a nossa melhor roupa.
É como os altos sorrisos que estragam nossa concentração.
É como um abraço esmagador que não tem nada de protetor.
Para você o que é o amor? Como ele é: Positivo ou Negativo?


quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Como conseguir a Fama



Têm muitas maneiras de ser famoso.
Escrevendo um livro, e conseguir que ele seja publicado é o primeiro passo.
Mais então você tem que conseguir que ele seja vendido, e milhões de pessoas elogiem.
Você pode ser modelo, cantora ou atriz.
Mais do que adianta ficar procurando maneiras de como conseguir a fama, se é para fazer algo que você não gosta?
Então parem para pensar no que você realmente gosta de fazer e tem talento.
E pare de pensar nos flashes e entrevistas que a fama pode proporcionar.
Se você tem talento seja para ser atriz, modelo, cantora ou escritora, então corra atrás porque a fama não vai ser nada em comparação a esta fazendo o que te faz bem.

P.S Post rápido, só para falar mesmo de algo que acontece muito, quem não quer ser famoso hoje em dia?
Mais eu acho que não adianta ser famoso e não ter talento.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

E aquele foi o fim...

Ana estava dormindo tranquilamente quando de repente, acordou com o ruído de uma porta que se fechava pesadamente lá embaixo, no térreo.
Ela costumava ser muito curiosa, e como sempre a curiosidade a venceu, ela pegou o robe do lado da cabeceira da cama, se vestiu e desceu devagar pelos degraus, passo por passo tentando fazer o mínimo de silêncio possível.
Não havia ninguém na área vazia, a porta estava fechada, nem o vento conseguia ultrapassar a porta de ferro, Ana riu consigo mesma enquanto olhava a porta, foi quando o elevador se abriu, e ela virou-se para olhar, a expressão no rosto dela foi de surpresa, alegria, medo e tensão.
_Riley o que você faz aqui à uma hora dessas?_ ela perguntou ainda surpresa.
_Só uma visita querida Ana._ ele disse, seu tom de voz estava alterado, como se não fosse o Riley de sempre.
_Você me assustou sabia, e afinal você não deveria está aqui._ ela atirou com a voz amarga.
_As minhas visitas já foram melhores apreciadas, você sempre gostou delas._ ele falava, tentando recuperar alguns momentos do passado que estavam escondidas em algum lugar da memória de Ana.
_Como você conseguiu entrar?
_Só os moradores tem acesso a esses portões, e as suas visitas eram bem vindas quando você ainda era o Riley doce e generoso que eu conheci._ Ana agora era muito mais amarga do que ela costumava ser.
_Sempre tão curiosa Ana, um dia isso ainda vai te matar._Riley disse e a puxou pelo braço.
_Vá embora Riley, saia daqui, você não é bem vindo, não até que mude de caráter._Ana começou a gritar, ela gritava tão alto, como um instinto de preservação.
_Cale a boca Ana, vai acordar os vizinhos._Riley gritou bem perto de Ana, o calor da voz dele, era uma mistura de raiva e cerveja.
_Louco e bêbado, é isso o que você é nesse momento, saia daqui ou vou gritar ainda mais Riley Carter.
Ana gritou pela última vez, um grito que ia se tornando um sussurro, depois que Riley perdeu o controle e enfiou uma faca no peito dela, o sangue começava a tomar conta de todo o chão, Riley gritava desesperado, ele não queria fazer aquilo, machucar ela não era a intenção dele, o que ele sempre quis foi a sua Ana de volta.
Desorientado como estava, ao ver as pessoas chegando, e o prédio perdendo o silêncio, ele tirou cuidadosamente a faca do peito de Ana, e enfiou com toda a sua força no seu peito, as últimas palavras de Riley para Ana foram "Eu te amo, mais não podia te contar o porquê da minha mudança de caráter".
E aquele foi o fim do amor de Ana e Riley, uma história que se tornou perigosa com o tempo, provocando a morte dos dois, como um Romeu e Julieta, mais bem mais trágica do que nas histórias de Shakespeare.

domingo, 25 de julho de 2010

É assim que sempre acaba os sonhos bons


Hoje o dia foi longo e tenso, tantas coisas para resolver que mal me sobraram cinco minutos para lanchar.
Chegar em casa e tomar um banho quente era tudo o que se passava em minha mente, antes de eu adormecer ali mesmo na estação de ônibus.
Quando fechei os olhos sonhei com a porta de entrada da minha casa, joguei minhas coisas no sofá e fui direto para o banheiro, preparei um banho de sais bem gostoso e fiquei lá por mais de trinta minutos.
Depois de um banho relaxante tudo que eu precisava era de um copo de chocolate quente acompanhado de rosquinhas, e depois uma bela noite de sono para repor as energias.
Na cozinha não passei nem dez minutos, a necessidade de dormir era bem maior que a de me alimentar.
Em um estante eu já estava em frente a porta do meu quarto, deitei na minha cama macia e quente, quando sentir tudo rodar, vozes me chamavam moça acorda, Rebeca querida, e alguns xingamentos também eram pronunciados enquanto me sentia caindo em um abismo.
De repente me vi no universo, havia uma caixa enorme com alguns dizeres do tipo que te tentam a abrir aquele pacote, mais que sempre acontece algo quando você o abre.
Eu sempre curiosa não dei muita atenção a alerta e o abrir, era tudo tão lindo dentro da caixa, era como se eu estivesse cercada de estrelas, tentei olhar mais fundo e acabei caindo, tudo começou a desmoronar, a cabeça começou a doer, as estrelas brilhavam mais forte ao mesmo tempo em que sumiam, foi quando abrir o olho ao ouvir uma voz familiar, era minha irmã que estava na estação de ônibus tentando me acordar.
É assim que sempre acaba os sonhos bons, primeiro vêm aquelas estrelas lindas, depois você nem sem lembra mais o que era aquele sonho, porque a dor de cabeça é tão grande que não deixa as lembranças fluírem livremente.


sexta-feira, 16 de julho de 2010

E agora...



E agora o que vou fazer
Se o ódio se transformou em amor.
E agora que você já não me ver mais como a garota má
Como eu farei para me afastar.
E agora que tudo o que eu quero é está ao teu lado
Mais o medo e a timidez me fazem tentar te esquecer.
E agora o que eu vou fazer sem você?
Se você me ama e eu te amo mais ambos sentem medo?


sábado, 10 de julho de 2010

A viagem dos sonhos


Depois do grande impacto, nós sabíamos que o navio não conseguiria ficar por muito tempo flutuando, que logo ele ia afundar, fomos para o topo do navio, onde estaríamos seguros por mais tempo.
Não sabíamos por quanto tempo ficaríamos vivos, então começamos a conversa que sempre terminava antes mesmo do inicio, talvez por pura timidez, ou por querer acreditar que nossa relação era somente amizade.
Falamos juntos, talvez uma fração de segundos de diferença, mais naquele momento não importava quem se declararia primeiro, nada importava, só o amor que sentíamos um pelo outro.
_ Eu te amo, Kate.
_ Eu sempre te amei Nick.
Trocamos palavras, abraços e carinhos, tudo entre batidas de dentes, o frio já começava a aumentar, estávamos quase afundando, faltava muito pouco.
Ele segurou a minha mão bem forte, e eu as apertei ainda mais contra as dele, tocamos os nossos lábios pela primeira vez, apesar de todo o frio os lábios dele estavam quentes, e passavam delicadamente entre os meus que estavam mornos, apesar da morte está mais próxima que a salvação, esse foi o melhor beijo da minha vida.
Comecei a chorar por ver como o destino era injusto e cruel, como você podia ter e não ter seu grande amor, como tudo era mais complicado do que deveria ser.
_Eu odeio te ver chorar, portanto, acabe com suas lagrimas e escute._ ele me disse, enquanto secava as minhas lágrimas.
_ Estou me sentindo como no Titanic.
_ Eu também, vamos morrer e nosso amor vai ficar nas lembranças dessas águas frias._ eu o interrompi para dizer o que estava na minha cabeça desde que afundamos.
_ Calma preste atenção, eu te prometo que vamos sobreviver, não será como no Titanic, nós dois voltaremos para esse mesmo lugar um dia e vamos nós lembrar que foi no meio de uma tragédia, entre a vida e a morte, que nós declaramos, e saber que o nosso amor era correspondido por ambas às partes, é que nós fez sobreviver._ ele disse tentando me acalmar, a cada palavra ele secava um pouco mais as minhas lágrimas, e eu ia ouvindo o delicado som da sua voz, que tinha o poder de me tranquilizar.
No fim ele tinha razão, sobrevivemos e cinco anos depois, mesmo sem tanta coragem voltamos para o mesmo lugar. Estamos sentados próximo de onde nós declaramos no antigo navio que afundou, esse era idêntico aquele de cinco anos atrás, mais ao contrário ele não estava afundando, a luz do luar refletia sobre nós, e nossa viagem está acabando como havíamos planejado.
A viagem dos sonhos.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Tirando o que não serve do armário



Eu decidi tarde demais que esse é um passado que deve ser esquecido.
Já não tenho mais motivos para ficar sofrendo por coisas que estão no fundo do armário.
O dia de fazer uma arrumação geral nessa bagunça de sentimentos tem que ser hoje e agora.
Se a confiança que eu depositei em você não valeu de nada, não foi culpa minha.
Tenho certeza que fiz tudo certo, que a errada foi você por jogar uma amizade tão bonita fora desse jeito, como se fosse só mais uma peça de roupa para doação.
Sabe quem perdeu foi você, pois agora achei alguém que gosta de mim, e que quer ser minha melhor amiga para sempre, que não tem nenhuma intenção de me magoar.
Você não teve a coragem de confessar que só fingiu ser o que não era; que nunca foi minha amiga de verdade.
Que tudo o que sentia em relação a mim era inveja, e que seu propósito maior não era construir uma amizade e sim me destruir, tomar tudo o que era meu de direito.
A felicidade você pode ter conseguido tirar, mais foi por pouco tempo.
Ontem a felicidade bateu a minha porta, com uma pitada de amizade e muito amor, coisas que eu pensei que você tinha conseguido tirar de mim.
Tudo o que já não serve mais, se tira do armário, e deixa a disposição de quem o queira, se tem alguém que quer sua companhia, tudo o que eu desejo é sorte, porque um dia essa pessoa irá perceber que você não é de muitos sentimentos, nem de muita confiança.
Que você é só mais uma peça que foi tirada de um armário no dia de uma arrumação total, porque não serve mais.



segunda-feira, 28 de junho de 2010

Dia 8: Uma foto que te deixe triste ou irritado



Essa foto não me deixa triste ou irritada.
Me deixa triste e irritada ao mesmo tempo.
Triste por ver essas crianças desnutridas, com fome e seus pais sofrendo junto por não poderem fazer nada.
E irritada por ver que tem gente que tem tudo o que essa crianças queriam e não aproveitam, ainda esbanjam dinheiro com besteiras.


quarta-feira, 23 de junho de 2010

Ele enlouqueceu na copa ou já era louco?


Ano 2010, mês de junho, copa do mundo, amanhã tem jogo do Brasil, foram esses os pequenos detalhes que me fez lembrar de uma situação bizarra que aconteceu a quatro anos atrás.
Apesar de eu ser considerada a estranha do bairro, com roupas e atitudes que soam como loucura, não sou eu o personagem principal dessa louca história, eu sou só uma pessoa que se lembrou de um fato.
Na copa de 2006 todos estavam preparados para o jogo do Brasil, aquela loucura costumeira era o que se via na maioria dos rostos suados dos meus vizinhos, mais um em especial estava totalmente quieto, não deu um grito até o fim do jogo, todos usavam suas gargantas o máximo que podiam para gritar e soar suas vuvuzelas, até que no fim do jogo a decepção, a derrota do Brasil, não me lembro de muitos detalhes dessa copa, ou melhor não me lembro de detalhes de copa nenhuma, pelo menos em relação aos jogos, tudo o que eu mais queria era o fim dos jogos para que tudo voltasse ao normal, filmes a tarde na televisão, e o máximo de silêncio nas ruas, nada de fogos de artifício, nem gritos de gol.
O único detalhe que eu ainda tinha guardado no subconsciente do meu cérebro foi a derrota do Brasil, não que eu tenha ficado feliz, mais porque enquanto todos se calavam diante da derrota, o único que permanecia em silêncio deste o início do jogo, levantou- se de supetão, foi até o armário mais próximo citando uns palavrões e pegou uma marreta, "Eu vou acabar com isso agora"_ ele gritava.
Todos se assustaram pensando que ele queria acabar com a própria vida, correram até a frente da casa onde ele ficou, parado por alguns minutos, ele continuava a dizer aqueles palavrões, uns piores que os outros, quando finalmente ele parou de usar aquelas palavras indecentes, ele gritou “Prestem atenção todos vocês, que eu vou acabar com a vida dessa seleção imprestável".
Dito isso ele bateu com a marreta no muro da entrada de sua casa, onde tinha desenhado a caricatura dos jogadores da seleção brasileira, e uma bandeira gigante desenhada bem atrás.
Se passado uma semana o pobre coitado, estava a levantar novamente o muro que ele havia destruído.
Eu nunca entendi o porquê daquilo, um homem tão calmo e concentrado como ele.
Agora me pergunto "Será que ele enlouqueceu na copa ou já era louco?"
-----------------------------------------------------------------------------------
Nessa história só o fato do homem ter quebrado o muro é verdade.
A garota era eu ,mais eu não sou a estranha do bairro, até mesmo porque o fato ocorreu na casa do vizinho de um primo meu, e essas frases ele não disse, eu acrescentei para dar emoção a história.
Imagem para representar a garota estranha que se lembrou do fato.Você pode encontrar essa imagem aqui.

domingo, 20 de junho de 2010

Essa Distância que nos separá


Depois de anos lutando por uma causa que eu nem tenho certeza se vale mesmo a pena, eu começo a sentir a dor da distância e da saudade, já fazia mais de quatro meses que eu não recebia nenhuma carta, e agora que a recebi sinto que aquela dor só aumenta dilacerando o meu coração.
Eu esperava por uma carta de amor, como era de costume da minha doce Julieta, mais agora ela era como um doce de tamarindo, doce no começo e azeda no final, de certa forma algo me dizia que um dia chegaria a carta escrita pela Julieta mais azeda.
As palavras dela martelam na minha cabeça repetidas vezes.
"Querido Eduardo,
Essa Distância que nos separá, já não dá mais para aguentar, vivo de cartas que nem sempre chegam.
De cartas enviadas que nem sempre tem respostas, não posso saber onde você está; o que me deixa mais aflita toda vez que passa no noticiário soldados a morrer.
Já tem anos que você está a lutar por uma causa que eu considero impossível de ganhar.
Não sei se terei retorno a está carta, sei também que ela foi curta e azeda, mais tente ao menos, me dizer se um dia poderei te ver de novo, se vai ser impossível poder te dizer pessoalmente um eu te amo, ou se você irá se realistar e me deixar sozinha por mais alguns anos para lutar em nome da sua tão querida amada pátria.
Beijos, Julieta”




domingo, 13 de junho de 2010

A história do dia doze de junho


Hoje é dia doze de junho, o famoso dia dos namorados, e eu estou aqui sozinha na estação de trem, a observar um casal se despedindo.
Eu conseguir ver e ouvir tudo, primeiro eles deram um longo beijo apaixonado, as lágrimas se misturavam nos seus lábios.
Ela dizia o quanto ia sentir saudade dele, se não tinha jeito de ele ficar.
Ele a apertava cada vez mais forte e dizia que não era escolha dele, dizia também para ela não se preocupar, que ele ia dar um jeito para eles ficarem juntos.
Você se lembra do nosso lema não é, ele sussurrava no ouvido dela, e os dois disseram juntos "o nosso amor é como o vento, não posso ver, mas posso sentir".
As lágrimas perduraram por mais alguns minutos, entre beijos, abraços e recordações.
O trem dele estava à espera, prestes a partir, e como algemas que juntavam as duas mãos eles permaneciam, sem se soltar, eles tentavam mais não conseguiam, era um amor tão forte, tão grande, que parecia até cena de filme, mais era tudo real e eu estava presenciando cada ato, cada frase deles.
Por fim quando eles conseguiram se soltar, ele correu para a janela mais próxima do seu vagão e gritou “Por onde quer que eu vá vou te levar pra sempre", em seguida soltou um beijo ao vento, que ela pegou e guardou no seu coração, como o tesouro mais precioso do mundo.
A história desse casal me comoveu, por isso escrevi essa história, voltei várias vezes a estação de trem para ver se encontrava o casal, mais já se passaram seis meses e nada, talvez eu tivesse chegado tarde demais para ver, ou então eles ainda estão a se amar cada um de uma cidade.
Mais essas são só algumas suposições, não sei o que aconteceu depois, por isso o fim da minha história acaba sem um final feliz, acaba com um casal a chorar, sem querer se separar.

----------------------------------------------------------------------------
Texto feito para as edições visual, musical e conto/história do bloínques.
Essa história é totalmente fictícia, não sou eu a personagem principal, eu me consideraria como a narradora, não que eu já tenha visto essa cena, mais porque a história passou pela minha cabeça e eu narrei.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Simplesmente você


Hoje eu vejo que foi simplesmente você que mudou a minha vida.
Quando eu estava triste você fazia de tudo para me alegrar.
Quando eu chorava você sempre tinha um lenço para secar minhas lágrimas.
Mesmo eu estando em constante crise,
sendo abandonada por todos porque eles não conseguiam me entender,
foi você o único que continuou ao meu lado e conseguiu ver lá dentro o que estava acontecendo.
Agora eu não só vejo, mais também sei e aceito que minha vida se resume no que eu passei com você.
Se agora eu consigo sorrir e fazer alguém feliz é por você.
Se em vez de chorar eu consolo os outros para que não chorem, também é mérito seu.


P.S Pauta para o bloínquês. Ficou bem simples o texto.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Miranda Cosgrove _ Música do dia



A música do dia de hoje é "Kissin'U" da Miranda Cosgrove.
O clipe é perfeito, muito lindo e a música também é linda.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Amor Imortal


No silêncio mortal, todos os detalhes de repente se encaixaram, numa explosão de intuição.
Foi exatamente assim que tudo aconteceu naquele momento.
Eu estava sozinha tirando fotos da torre Eiffel, um silêncio enorme me cercava, chegava a ser assustador.
Percebi que não era comum aquele vazio, exceto quando lendas se espalhavam pela cidade.
Lembrei-me dos boatos de que um homem pálido, dos olhos castanhos claros, andava rondando a cidade, a procura de suas vítimas, e quando as encontrava o desejo de sangue era maior do que a missão de trazer novos aliados para o clã, que iria passar por uma guerra futuramente.
De repente, mesmo que tudo aquilo não passasse de lendas bobas para mim, tudo começou a se encaixar de uma maneira estranha, sentir um cala frio daqueles que eu só sentia guando algo ia acontecer, mais para o meu azar nunca distinguia se seria algo bom ou ruim.
Como se alguém estivesse me olhando uma intuição explodiu sobre mim e tentei fugir, mas não conseguir, fiquei completamente hipnotizada quando vi aquele lindo rosto pálido parado em minha frente, ele se aproximou devagar demais para um imortal e tocou-me o rosto.
Sua expressão era uma mistura de dor e felicidade ao mesmo tempo, como se ele desejasse o meu sangue, e a mim ao mesmo tempo, como se as duas escolhas lutassem uma contra a outra.
Fui carregada e levada até o topo da torre, era tudo tão lindo e assustador, que eu não tive reação.
Começamos a conversar, eu não sabia por que, mais era como se eu já o conhecesse, como se aquele encontro tivesse sido escrito na estrelas.
Anoiteceu e nós ainda estávamos no alto da torre, mais agora nós olhávamos sem dizer uma só palavra.
Aquela tarde foi o suficiente para que eu me apaixonasse por aquela figura tão irreal.
E foi sobre o brilho das estrelas e a luz do luar que nós beijamos; um longo beijo apaixonado que só acabou depois que os lábios dele percorreram o meu pescoço e me transformou.
Um amor imortal não podia ter nascido em melhor lugar, na torre Eiffel em Paris.




quarta-feira, 2 de junho de 2010

Música do Dia

A música do dia hoje vai ser "Vou te esperar" da banda cluster. Escolhi essa música porque acho a letra linda.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Frase do dia



"Todo caminho que trilhamos tem seu destino, basta a nós escolhermos o rumo certo."

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Alma gêmea


E lá estava ele o menino mais fofo que já vi em todos os meus poucos quinze anos de existência.
Nunca soube o nome dele, onde mora, ou qualquer outra coisa sobre sua vida, exceto o fato de que ele ia todos os dias no mesmo lugar, no mesmo horário para tocar violão.
Eu soube que ele era minha alma gêmea desde a primeira vez que o vi ali tocando, mas a ousadia que eu tinha para falar com os outros, mudou naquele momento.
Alias tudo em mim mudou, eu já não era mais a adolescente rebelde, que fugia para sair com as amigas, e nem a garota atrevida que não tinha medo de nada.
Na noite passada decidi que iria falar ou me calar para sempre, mais quando o vi ali sentado tão concentrado, a coragem novamente foi embora, comecei a pensar melhor, e as dúvidas foram surgindo no lugar da certeza que eu tinha.
“Talvez não seja o momento, é melhor repensar "_era só essas palavras que se passavam na minha cabeça tão confusa.
Se ele estivesse muito concentrado, compondo uma canção inédita, uma desconhecida como eu, teria o direito de estragar esse momento? Acho que não.
Fiquei meia hora repensando se aquela era o melhor momento para chegar mais perto, se aquilo não era loucura, o melhor era eu me calar para sempre.
Aquela história de pensar melhor desapareceu quando outras palavras invadiram minha consciência.
“Saia daqui; vá embora "_uma voz tentava gritar em minha cabeça, mas tudo que se ouvia era um leve sussurrar.
_ Algo diz para eu ir embora _ eu disse baixinho.
Apesar de está confusa eu sabia realmente o porquê eu queria ir embora, a insegurança falava mais alto, mesmo estando tão apaixonada por aquele garoto, o medo não deixava que eu desse dez passos até chegar nele, se eu vencesse o medo tudo ficaria mais fácil de resolver.
Quando eu estava disposta a ir embora de vez para nunca mais voltar, uma folha de papel veio em minha direção, eu consegui pega-la antes que o vento a soprasse para longe de mim.
E lá estava à música que ele estava compondo, talvez só um rascunho, ou ele talvez nem quisesse mais, por isso não percebeu que o vento levou.
Eu queria ficar com a folha, seria uma lembrança, mas eu não tinha o direito de ficar com o que não me pertencia, fui até ele e cutuquei o seu ombro.
Quando ele me olhou, eu disse_ sei que você está muito concentrado, me desculpa eu não queria atrapalhar a canção no meio, mas essa folha é sua._ as palavras se atrapalharam.
O nervoso tomou conta de mim naquele momento e tudo o que ele disse foi _ eu a deixei voar para que a minha admiradora viesse buscar a música que eu compus para ela, minha alma gêmea, você.



quarta-feira, 26 de maio de 2010

Dia 7: Uma foto que te faça feliz


Essa foto me faz feliz porque me lembro da amizade com minhas amigas.
Um simples sorriso, um abraço já nós deixa feliz.
Só te ter a amizade uma dá outra a felicidade se completa em nós.
Muitos buscam a popularidade, mas eu procuro a verdadeira amizade.
Porque é a única coisa que pode nós fazer feliz de verdade.

************************************************************
Mudando de assunto, não sei se já tinha falado aqui que ganhei um concurso cultural do canal pago da Nick.
Entre 16 mil pessoas que estavam concorrendo a ingressos e cd´s da Isa, eu conseguir me encaixar nas finalistas. E eu que pensei que minha frase não ia chegar nem perto da criatividade.
Tirei umas fotos, veio um CD, alguns adesivos e tatuagens, um poster incluso no CD e uma carta me dando os parabéns, está tudo na montagem abaixo.


quinta-feira, 20 de maio de 2010

Selos




Esse eu ganhei da Marcella.
1. Exibir a imgem do selo em seu blog

2. Linkar o blog que recebeu a indicação.

3. Escolher outros 15 blogs para dar a indicação.

Rebecca, Marina, Nathy, Marcella, Marcella ( teen news), Luísa, Danii, Thaíse, Andreia, Andressa, Nicole, Lalla, Fernanda, Limão-com-açúcar, Kinha

4. Avisar os escolhidos.





Ganhei esse selinho da Marina do blog Era uma vez

As regras desse selo são:

1) Dizer 2 coisas que te fazem sorrir:


Está com os amigos e família. E ver alguma coisa boa sendo realizada, seja por mim, por um amigo ou até por um desconhecido.

2) Dizer 1 coisa que te faz sorrir no blog do qual recebeu o selo:

A pessoa que escreve o blog que me deu esse selo, mostra ser muito legal atráves dos posts dela.


3) Indicar o selo para 20 blogs:

Rebecca, Marina, Nathy, Marcella, Marcella ( teen news), Luísa, Danii, Thaíse, Andreia, Andressa, Nicole, Lalla, Fernanda, Limão-com-açúcar, Kinha
Vai ficar faltando cinco.




E esse ganhei da Rebecca

Regrinhas do 2 selinhos


1) Pegar o selinho

2) Me deixar um recado

3) Dizer 5 coisas que você gosta de fazer:

Escrever, Ler, Ouvir música, Conversar, Visitar blogs e sites

4) Indicar 10 blogs para receber o selinho:
 
Rebecca, Marina, Nathy, Marcella, Luísa, Danii, Thaíse, Andreia, Andressa, Nicole
 


terça-feira, 18 de maio de 2010

Entre chuva e lágrimas


Muitos talvez não entendessem o porquê eu ainda vivia dentro de casa, mesmo depois de tantos anos.
O porquê eu ainda sofria com a dor desse amor.
A chuva caia lá fora, e as lágrimas caiam aos meus pés, era como se fosse as gotas d'água que eu não sentia há tempos, eu me limitava a fazer desenhos na janela suada.
Desenhos mórbidos, mas que mostravam realmente como eu me sentia; se parassem para prestar atenção veriam que a dor que ainda me machucava era por ter sido tão burra e inocente, coisa que eu nunca fui.
Dizem que o amor cega a gente, talvez seja verdade, mas ele também nós ensina da pior maneira possível.
Ensinamentos esses que talvez nunca quiséssemos aprender, mas a vida é feita desse jeito, entre erros e acertos, entre lições preciosas ou não, entre chuvas e lágrimas.
Não sei ao certo desde quando estou nessas condições, no dia em que tive os sentimentos dilacerados foi como se o tempo tivesse parado, mantendo em movimento apenas os meus passos que iam da porta a janela do quarto, as lágrimas que corriam dos meus olhos e a chuva lá fora que também permaneciam intactas.
Portanto se estou perdida no tempo, creio que também não saberei te responder quando eu irei voltar a viver novamente, talvez nunca, já estou me acostumando com essa rotina, ela é menos dolorosa do que parece, é um ótimo remédio para se sentir um pouco bem. Não a nada melhor que chuva e lágrimas.


sábado, 15 de maio de 2010

Existo sem viver



A noite anterior não foi uma das melhores da minha vida, o que me fez acordar chorando.

Os lençóis e travesseiros estavam encharcados de lágrimas, por dois motivos, um me destroçava, mas que o outro, saber que meu pai tinha sido assassinado e que o amor da minha vida era o assassino foi demais para mim.
Já haviam se passado dois meses e eu não saia de casa nem para trabalhar, a culpa que corria o meu coração não deixava que eu voltasse a viver, era como se aquela paixão proibida não tivesse matado só ao meu pai, mas também a mim, afinal se eu não tivesse tentado fugir com ele nada disso aconteceria.
Parecia que tudo ia dar certo, as malas já estavam prontas há uma semana, só esperando uma chance para sair de debaixo da cama, quando finalmente o momento de tirá-las de lá chegou, sair do meu prédio às cinco da manhã discretamente, mas fui vista sem perceber.
Quando já estávamos na rodoviária meu pai chegou, tentando impedir que eu partisse, ele apontou uma arma para o meu amado ameaçando matá-lo.
Eu reagir entrando na frente tentando impedir, os dois discutiam ferozmente, e eu continuava na tentativa de parar aquela confusão, uma multidão de pessoas se juntou para ver, quando a arma de algum modo caiu das mãos de meu pai.
Sem que eu tivesse tempo para evitar a tragédia a seguir, meu amado pegou a arma e deu dois tiros fatais no meu pai, dois policias que iam chegando no momento viram tudo e o levou para delegacia.
Comecei a gritar desesperada, o porquê ele fez aquilo, gritava o nome de meu pai pedindo para que ele reagisse, mas não tinha nada a ser feito naquele momento.
Só a prisão imediata do assassino do meu pai, e um enterro que aconteceria no dia seguinte.
Agora existo sem viver, porque perdi os dois amores da minha vida, um para a justiça divina e o outro para a justiça humana, e tudo por minha culpa e de mais ninguém.



Dia 6: Qualquer coisa a sua escolha


Como o dia 6 eu posso postar qualquer coisa a minha escolha, então eu vou postar algumas novidades.

A primeira novidade é que eu e a Mah vamos criar um blog para falar sobre meio ambiente, como ajudar a cuidar melhor dele, e talvez terá um concurso para novas moderadoras.
Mas ainda estamos planejando tudo para que o blog fique lindo e super informativo.
Tenho outra novidade, que é a criação de um novo tópico na minha comunidadade no o livreiro.
O tópico é sobre filmes baseados em livros, veja aqui a comunidade.
Não parou por ai tenho outra novidade, estou pensando em criar um blog que tenha entretenimento, moda, beleza, fofocas e outras coisas legais. ( sempre quiz fazer um blog assim e vi um nome que ficaria legal).
Há eu já contei que ganhei um concurso da nick, estou muito feliz porque em fim a sorte bateu a minha porta.

Acho que as minhas novidades acabaram por aqui, seu eu lembrar de mas alguma eu posto depois tá.
E mas tarde tem um post mas legalzinho para vocês.




quinta-feira, 13 de maio de 2010

A falta que faria uma família


Naquele momento eu não estava achando a minha vida uma das melhores.
O castigo que meus pais me deram para mim não tinha sentido, mentir às vezes é normal, ou necessário.
Para tentar aliviar o tédio de ficar em casa sem TV e internet, cheguei da janela do meu apartamento.
Era bem alto de lá, nunca havia parado para olhar a altura do meu prédio.
A vista que eu tinha era bem privilegiada, dava para ver tudo até um pouco do outro lado da cidade, mas não perdi o meu tempo olhando para as coisas, mas belas, pois logo que tentei procurar o que de, mas bonito me agradasse, me deparei com uma cena que me fez pensar melhor na importância que tinha a família.
Descrevendo a triste cena: uma garota de uns doze anos, vestida com roupas sujas e velhas, descalça, sem ter o que comer pediu esmola a dois garotos altos e bonitos que passavam por ali.
A reação dos garotos: passaram as mãos por seus desfiados fios de cabelos cor de mel, cuspiu no chão, pegou uma moeda do bolso e jogaram no lixo, eles gritaram algumas palavras que deu para distinguir um pouco quais foram elas.
"Se você conseguir pegar no lixo, onde é o lugar dos ratos, pode ficar com a moeda, sua ratazana maltrapilha!"
Aquelas palavras, e a cena horrível que presenciei me fizeram se colocar no lugar da garota; era como se as suas lágrimas estivessem correndo pelos meus olhos e não pelos dela.
Depois que me imaginei na mesma situação, vi a falta que faria ter uma família, meus pais reclamando quando eu estou errada e elogiando quando faço algo de certo, me dando carinho, e todo o conforto do lar.
Fazendo-me sorrir, me consolando nas horas tristes, cuidando de mim, mesmo quando não tem muito tempo.



terça-feira, 11 de maio de 2010

Querida amada, eu ainda te amo



11 de maio de 1990


Querida amada,

Se você tivesse lido essa carta há vinte anos quando ela foi escrita talvez você não entendesse; por isso só agora que tive a coragem de te enviar, pois sei que nesse momento terá a capacidade de entender as palavras que contém nessa carta.
Você perdeu a sua graciosidade sem perceber, mas eu intuí desde o primeiro estante que o sucesso lhe subiria a cabeça, você esqueceu os amigos, a família, e só pensou nos fãs, na fama e no dinheiro que iria ganhar como cantora profissional. Sei que quase não te sobrava tempo para nós dar atenção, mas quando o tempo batia a sua porta, você simplesmente o expulsava com todas as forças.
Será que você ainda vai se lembrar de mim quando ler essa carta?
Ao contrário do que esteja pensando, eu não estou querendo te fazer sofrer por ter me deixado para trás, afinal eu era o seu grande amor, e quem ama de verdade não faz sofrer, mesmo que a pessoa amada mereça.
Eu só estou querendo te mostrar que se eu tivesse te mandado essa carta há vinte anos, você me ignoraria, me diria que os ciúmes me faziam pensar assim.
Agora que está mais madura, que já trabalhou bastante sei que você conseguiu me compreender nem que seja um pouquinho.
Entendeu agora que eu te amava de verdade e que só estava tentando de proteger?
Que o ciúme não queria atrapalhar a sua carreira e sim acompanhá-la de perto?
Eu só queria te fazer feliz, seja você sendo famosa ou não, desde que não esquecesse quem realmente é, sem que esquecesse a verdadeira felicidade, seus amigos, sua família, e eu a pessoa que sempre te amou.

P.S Eu ainda te amo, por isso mandei essa carta para você.




sábado, 8 de maio de 2010

Feliz dia das mães + projeto meio ambiente



Hoje é dia 8 de maio, significa que amanhã é o dia das mães, que legal.
Tudo bem que dia das mães é todo dia, mas nesse dia em especial , o segundo domingo de maio, é o dia que lembramos daquele que nós deu carinho durante nove meses, e depois que nascemos também, e que nós dá carinho até hoje não importa que idade nós temos, para ela somos sempre aquele bebezinho que está se formando na barriga dela.
Aquela que passou noites em claro, que chorou quando chamamos mamãe pela primeira vez, que sorriu ao ver nosso primeiro passo, ao ver nosso primeiro dentinho nascer, enfim mãe é aquela muito especial que nós deu a vida.
Feliz dia das mães a todas as queridas mães do mundo.

P.S Esse fim de semana estou sem tempo para elaborar um post melhor, mas como eu não podia deixar de mandar abraços para a minha mãe e para todas as mães do mundo fiz esse post rápido.
Sobre o projeto do blog para falar sobre a preservação do meio ambiente semana que vem eu resolverei tudo.
Quem está apoiando muito obrigado, quem ainda não está sabendo leia o post abaixo e se informe melhor.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Sem muita coisa para falar, mas cheia de idéias para contar



Primeiramente bom dia a todos.
Hoje eu não tenho nada elaborado para postar, só tenho umas idéias que me surgiram na cabeça e resolvi compartilhar para ver o nível de aceitamento e se vai dar certo se um dia eu levar adinate ( o que eu quero muito).
Com esse tempo de chuva, casas caindo, notícias nada agradáveis na televisão, as pessoas param para pensar um pouco, se não todas as pessoas pelo menos algumas.
Eu já estava pensando a muito tempo, mas com essas tragédias que anda acontecendo eu não só pensei como tive idéias.
As idéias foram várias, mas vou listar só algumas

*Fazer um blog em grupo ( sobre o que seria esse blog : um blog que fale justamente sobre as questões da natureza, todos sabem que algumas coisas estão desequilibradas porque nós cidadões não estamos cuidando direito da terra por isso ela está se destruindo cada vez mas. A gente postaria fotos,vídeos, textos incentivando a reciclagem e outras coisas que faça um mundo melhor, eu pensei até em postar músicas, que poderia ser composta pelo grupo, mas para isso tinha que ter alguém que saiba cantar e tocar violão, o que não é o meu caso, irei aprender em breve.)

*Para esse blog acontecer primeiro eu iria pedir para que os participantes assinassem a causa ( ou seja postasse um comentário com o nome, o blog e o porque quer participar).

*Eu tive várias outras idéias, mas listei as que achei melhores de se fazer, já que a internet é um grande meio de comunicação e divulgação. ( as outras idéias e projetos irá acontecer quando o grupo estiver formado).

Quem achar a ideia legal passa o link do post adiante, para amigos, blogueiros, familiares.
Eu acho uma causa nobre, não sei se todos acham que é importante começar a lutar desde agora para cuidar da terra, mas eu acho.
E fazendo com o que cada um saber fazer de melhor, escrevendo, cantando, postando vídeos notícias, do seu jeito, desde que a gente consiga alertar as pessoas.
Eu sei que não é fácil, mas devemos tentar.
A idéia é essa, que achar que poderia dar certo e quiser fazer parte deixa um comentário e passa a idéia adiante. Beijos e obrigado por me aturar escrevendo todas essas coisas, mas já está na hora de tentar fazer alguma coisa.

terça-feira, 4 de maio de 2010

Dia 5:"Quote" citação preferida

Sempre gostei muito dessa citação.
Veio junto com um perfume da contém uma grama que minha mãe comprou, quando li gostei logo, era um adesivo então colei em uma agenda que eu sempre usava, assim poderia sempre refletir, e o mas legal é que vem em três linguas.
"O melhor da vida é poder sempre recomeçar."
"The best of the life is always can begin again."
"Lo mejor de la vida es poder siempre recomenzar."

E ai gostaram?
Qual a sua citação preferida?

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Garotos também sentem...

Foto retirada daqui

Eu sempre fui o garoto tímido da classe, o garoto que não saia nos fins de semana com os amigos, o garoto que nunca conseguiu chegar em nenhuma garota e guando elas se aproximavam não sabia o que fazer.
Nunca pensei que tudo isso mudaria um dia, mas foi em uma sexta-feira que as coisas começaram a mudar.
Depois da aula eu vi a aluna nova sentada perto do jardim, ela olhou ligeiramente para mim e deu um sorriso, sorri de volta, e depois nem eu mesmo acreditei naquilo, por isso não contei aos meus amigos de imediato.
Pela primeira vez aceitei o convite deles para ir a um bar, seria nesse dia que eu contaria sobre a garota, e a troca de sorrisos, então pediria ajuda para saber como falar com ela decentemente.
No dia seguinte meus amigos passaram para me buscar e fomos ao bar, mas frequentado da região; passaram meia hora depois que chegamos e eu não consegui contar a eles.
Mas meia hora se passou, e ela entrou no bar com seus longos cabelos ruivos, encaracolados, não acreditei que ela estaria ali, meus amigos logo pararam para olhar.
"Nossa! Fregueses novos” _ um deles falou entusiasmado.
"Fregueses não meu caro, freguesa” _ o outro corrigiu.
Ela vinha na minha direção, seus cabelos voavam, exalando um delicioso perfume no ar, minhas pernas começaram a tremer, minhas mãos começaram a suar sem parar, meu coração quase pulou do peito, sentir aquele frio na barriga, e mais todas aquelas coisas que muitos pensam que só garotas sentem, mas em relação a mim, garotos também sentem tudo isso, quando estão amando de verdade, eles podem sentir.
"Ela sorriu para mim na escola, e eu retribuir o sorriso” _ eu falei aos meus amigos antes que ela chegasse a nossa mesa e viesse falar comigo.
"A tá você retribuiu o sorriso, e ela está vindo falar com você” _ todos os meus amigos sentados naquela mesa de bar, riram de mim.
Diante daqueles risos e piadas, tudo que me restou foi esperar que a garota chegasse a mesa e como sempre ela fosse embora por falta de conversa.
"Oi, que bom te ver"_ ele disse olhando fixamente para os meus olhos.
"OOI” _ eu respondi gaguejando.
"Vamos nós sentar em uma das mesas ali da frente, dá para ver as estrelas, o céu hoje está muito lindo” _ ela disse, abrindo as mãos para que as minhas se encaixassem na sua.
Olhei para os meus amigos, e mesmo eles estando ainda em choque, fizerem sinal para que eu fosse.
Nós sentamos-nos à mesa e ficamos por longas horas conversando, só ao fim da conversa que nos lembramos de se apresentar.
"Eu me chamo Leonardo” _ eu disse.
"Bruna, eu me chamo Bruna” _ ela falou.
"Vamos nós ver amanhã na escola?” _ eu perguntei, para uma pergunta idiota eu tive muita coragem.
"É claro que sim, e todos os outros dias da nossa vida” _ ela respondeu, e me deu um beijo no rosto.
Passaram-se dois meses e eu tomei coragem para pedi-la em namoro.
Ela aceitou de imediato, estava esperando por esse momento desde o primeiro momento em que eles se viram.
Ela é o amor da minha vida, eu e ela, ela e eu, se completando todos os dias, estou feliz por ela ter tomado a iniciativa, pois se dependesse de mim não estaríamos vivendo um grande amor e sim um amor que não seria correspondido nas nossas cabeças, estaríamos amando sem saber que somos amados.

P.S. Texto feito para a 15º edição musical do bloíquês.
Fiz esse texto porque já estava pensando em fazer uma história de amor vivida por um garoto, e essa foi a chance que encontrei, eu quis mostrar que na minha opinião os garotos também podem amar intensamente.

domingo, 2 de maio de 2010

Nossas próprias escolhas,sorte ou será destino?


Texto para a edição visual e a edição conto/história do bloínquês.

Mariana tinha quinze anos e tudo o que ela presenciou foi a morte dos avôs, seguida pela morte da mãe, a única pessoa que restara na sua vida foi o seu pai, mas esse nunca ligou muito para a família, vivia nos bares
da esquina.
Depois da morte da minha mãe, ele usou a desculpa de que não podia viver sem a mulher, e que se o destino a levou, a vida dele não teria mais sentido,ele usou isso para passar ainda mais tempo bebendo.
A segunda coisa a ser presenciada foi a traição da garota que ela achava ser a sua melhor amiga.
Depois de ver a sua melhor amiga com o garoto que ela gostava desde a quarta série, ela resolveu estudar em uma escola pública.
Outro motivo para que Mariana estudasse na escola pública foi a falta de pagamento da escola, já que seu pai não tinha mas dinheiro nem para pagar a conta do bar.
Mariana não estava mais aguentando aquela vida, as perdas, as agressões que agora ela sofria em casa, e as piadinhas que Catarina, a garota que ela achava ser sua melhor amiga fazia toda fez que ela passava a caminho da nova escola.
"Seu pai gastou todo o dinheiro com bebida e não tem dinheiro para pagar a escola, e ainda te bate.
Você é mesmo uma idiota, nunca mereceu ser minha amiga, passa logo seu saco de pancadas “_ Catarina gritava todos os dias para que todos ouvissem.
Mariana passou por essa situação durante dez meses, até que ela se cansou, não sabia o que iria fazer ainda para acabar com todo aquele sofrimento, mas ela esperava que o destino tomasse conta de tudo.
Passaram-se mais dois meses e Mariana ainda não tinha decidido como acabar com todo aquele sofrimento.
Na ida para escola ela decidiu seguir caminho por uma trilha que dava nos fundos da escola, assim não seria motivo de piadas como todos os dias, ela caminhou por quinze minutos até que tropeçou em algo.
Ela havia tropeçado no destino e dois caminhos foram abertos para Mariana.
O primeiro objeto que ela encontrou no chão foi uma arma, ela logo pensou que seu destino seria se matar, acabar com a sua vida antes mesmo de completar maior idade.
O segundo objeto foi um jornal, colado em uma das páginas tinha um panfleto, onde falava de uma ONG que ajudava adolescentes sem rumo, que sofriam agressões em casa.
Mariana tinha dois caminhos, ela poderia escolher a sua própria sorte naquele momento, morrer ou tentar uma nova vida.
Ela escolheu se matar mais faltou a coragem de apertar o gatilho, o panfleto saiu voando e pousou perto dos seus pés, ela largou a arma e pegou o papel.
"Talvez me matar não seja o meu destino.” _ Mariana pensou, escolhendo então o segundo caminho.
Mariana teve dois caminhos para escolher, ela escolheu o segundo, agora ela vive feliz na ONG, mas quando todos a perguntam sobre o assunto a resposta é a mesma.
"Não foi sorte, eu não escolhi o meu caminho, foi o destino que me trouxe aqui.” _ ela responde todas às vezes.

P.S. As vezes os caminhos são abertos para nós, a sorte é lançada para que a escolha certa ou não seja feita, mas sempre preferimos deixar a culpa ou os privilégios para o destino.
Mas na minha opinião não é o destino que nós faz seguir os caminhos, mas sim a escolha que cada um temos o direito e a liberdade de fazer.


sexta-feira, 30 de abril de 2010

Mulher macho sim senhor



Nós mulheres antes vista somente como a esposa dedicada que era preparada desde pequena para cuidar dos filhos e do marido, hoje trabalhamos fora, estudamos, e fazemos a escolha de ser dona de casa ou não.
Ainda vistas como o sexo frágil, nós mulheres ainda somos vítimas do preconceito em relação a algumas coisas que nós conquistamos.
Mas será que somos o sexo frágil mesmo? Ou será que são os homens que querem nós dá o título que seria deles por direito se fossemos fazer algumas comparações?
Somos mas fortes do que muitos homens imaginam, somos mulher macho.
Mulher macho sim senhor, porque somos nós mulheres que conseguimos passar o dia todo com um salto agulha enorme, somos nós que leva os filhos para escola, que dá banho, que ensina os deveres da escola, mesmo estando cansada de ter passado o dia todo atendendo clientes mal educados, com um salto que machuca muito os pés, e ainda ter feito supermercado depois do expediente.
Somos nós que acordamos no outro dia bem cedo para se arrumar para mais um dia de trabalho, mesmo que tivéssemos passado a maior parte da noite preparando o almoço do dia seguinte, e colocando algumas roupas para lavar, e tudo isso depois de brincar com os filhos e lhe contar uma história.
Dizem que mulher é um desastre no volante, mas será que eles já pararam para ver que na televisão a maioria do acidentes mostrados são com os homens?
Portanto depois de todas essas comparações, podemos dizer com certeza que somos mais macho que muito homem, porque ser macho não é ter músculos, é ter força para fazer tudo o que fazemos mesmo sendo tão delicadas, ficaria até meio clichê citar um ditado agora, mas é isso que farei.
Será que eles não sabem que "as flores mais delicadas tem espinhos"?

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Dia 4: Filme Favorito


Falar sobre um filme favorito é díficil, sempre tem alguma coisa que gostamos em algum filme.
Filmes que gostei de assistir: como se fosse a primeira vez foi muito lindo a perseverança dele para ficar com o amor da sua vida e todos os dias fazer com que ela se apaixone de novo, um amor quase perfeito 3 esse eu assitir na escola e foi uma gritaria no fim do filme todos amaram, até alguns meninos, as branquelas foi muito divertido de assistir, o menino do pijama listrado apesar de triste, mostra uma bela amizade, me arrepiei toda no fim do filme.
Teve um filme de drama que eu amei, queria tanto lembrar o nome mas não consigo, só me lembro que assistir na globo, e que um rapaz mata a sua amante grávida de seu filho para não largar a mordomia que ele tinha ao lado da esposa( detalhe a amante era ex-namorada do irmão da esposa dele).
Pode ter certeza que tem outros filmes que quando assistir gostei para valer, até assistir mas outras inúmeras vezes, mas não me recordo de todo os nomes agora.
E vocês que filme você considera o seu favorito? Tem mais de um? Pode contar a vontade, é sempre bom dividir gostos em comum e dicas.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Aparência

Foto retirada do Flickr.
Post para o projeto mil palavras e para o bloínquês.
Talvez eu passe um tempo longe da cidade (trecho da música confesso - Ana Carolina).

Em uma conversa séria com a avó Jeferson lhe confessa algo, talvez essa seja a última conversa e a última confissão que ele fará a sua querida avó.
A conversa a seguir pode surpreender alguém.
E as confissões mudar tudo o que essa imagem lhe retrata.
_ Vovó preciso lhe confessar algo muito sério._ Jeferson disse mostrando grande seriedade.
_Pode falar meu neto querido._ ela falou com a voz doce de sempre.
_ Eu não sou durão como todos pensam._ ele disse de cabeça baixa.
_ Você pensa que sua velha não sabe disso?_ ela disse rindo, achando que a conversa não tinha nada de sério.
_ O jeito que você usa esse cabelo e essas roupas, que escondem a maravilha que você é._ dona Joana sabia muito bem do que estava falando, ela havia criado o seu neto e sabia que ele era bom.
_ Vovó, talvez eu passe um tempo longe da cidade._ Jeferson em fim tomou coragem para dizer do que se tratava realmente a conversa.
_ Mas porque vai fazer essa tolice?_ a avó perguntou ríspida, puxando a orelha do neto com tanta força que poderia arrancar fora.
_ Mesmo depois que fui inocentado da morte da Natália, todos me olham diferente, como se eu fosse o culpado, me tratam diferente dos outros até na faculdade._ ele disse lamentando o motivo pelo qual ele teria que partir.
_ Querido, eu tenho uma confissão para te fazer._ dona Joana disse, emudecendo em seguida, uns cinco minutos se passaram, até que o silêncio foi quebrado.
_Diga-me._ Jeferson a encorajou a falar.
_ Eu sei que não foi você que matou a sua ex-namorada, porque fui eu que acabei com a vida da Natália, a mania de grandeza dela acabou com o namoro de vocês, transformando você em uma pessoa que não é, veja só o seu cabelo, a sua roupa, e essa cerveja em sua mão, você nunca bebeu a essa hora da manhã._ ela contou toda a verdade ao neto, por longos minutos ela ficou a falar, sem deixar que Jeferson falasse nada, até que ele enfim a interrompeu, sem saber quais seriam as suas próximas palavras.
_ Eu não posso acreditar que a minha avó fez isso, veja só para o seu jeito, essas roupas, o cabelo tão bem alinhado, ninguém poderia imaginar, nem mesmo eu que sou seu neto._ ele disse, mostrando a tamanha surpresa que essa confissão havia sido.
Depois de conversas e confissões, permaneceram no banco da praça neto e avó lado a lado, sem saber o que fazer; sem ter mais palavras para dizer.

Quando falei que a conversa surpreenderia e as confissões mudariam a opinião que todos tirariam antes mesmo de ler a história, eu me referia à foto.
Muitos poderiam achar que Jeferson era um criminoso pelo jeito de se vestir, e que a avó dele era só uma doce senhora envergonhada de ter um neto como ele.
Até onde vai o preconceito das pessoas?
Será mesmo que o jeito que nós vestimos, falamos ou até mesmo o jeito que usamos o cabelo, descreve realmente o que somos?
Porque os seres humanos julgam as pessoas pela aparência, sem ao menos conhecê-las antes?


terça-feira, 27 de abril de 2010

Música



A música tem um sentido, ou pelo menos já teve sentido um dia.
Ouvimos música para nós alegrar, para passar o tempo ou por muitos outros motivos, cada um tem o seu.
Mas não paramos para observar a letra da música, levamos mais em consideração o ritmo da música, se é mais lenta ou mais pesada, o estilo que nós deixa mais satisfeitos.
No tempo dos nossos pais, dos nossos avos e bisavós, a música tinha um sentido maior, lutava por uma causa, era feita para homenagear alguém.
Hoje no nosso tempo as letras da música mudaram muito, até mesmo o ritmo.
As letras da música de pagode a maioria só sabe falar mal da mulher.
E nas outras letras em geral falam do amor perdido, ou do amor que foi correspondido, como se todos fossem mal amados ou bem amados.
Mas não estou falando mal das músicas dos nossos tempos, não posso falar mal de músicas que eu e muitos ouvimos mesmo se a letra não tiver muito sentido.
Se forem comparar as letras dos pagodes e dos pop rock, sertaneja e outros estilos prefiro ouvir as músicas românticas, que muitas vezes são contos de fadas ou raros, do que um pagode que só faz falar mal da mulher, desde quando algumas tem sim o seu valor e caráter.

E vocês o que acham da mudança que a música teve do tempo dos nossos avôs para o nosso?

domingo, 25 de abril de 2010

Happy birthday eighteen years


Já sonhei um dia em ter dezoito anos, nas coisas que eu não faço que poderia fazer, na liberdade que possivelmente eu teria.
Mas depois que parei para pensar nas responsabilidades que eu teria, na nova rotina que viria junto com a maior idade, parei e pensei melhor.
Desses meus pensamentos, vontades, pós e contras, eu tirei uma conclusão.
Deixa as coisas acontecer no tempo certo, deixa as responsabilidades e chegando devagar, tudo um dia vai acontecer e acontecer no momento em que tivermos preparados para as novas responsabilidades que junto virão, quando estaremos capacitados para enfrentar uma nova rotina.
Acho que as pessoas são assim, querem tudo logo, rápido demais, e acaba não deixando as coisas acontecer naturalmente.
Crianças querem ser adolescentes e os adolescentes querem ser adultos.
Mas depois muito dizem o quanto queria voltar a ser criança, a ser adolescente, talvez essas pessoas cresceram rápido demais, não viveu no tempo certo cada coisa, cada avanço de idade e novas responsabilidades que vem junto, ou então por simplesmente lembrarem do quanto a vida era mas fácil quando eram crianças, até mesmo quando eram adolescentes, apesar dos pais pegarem no seu "pé" o tempo todo, eles sempre resolviam as coisas quando não estavam ao nosso alcance.
Agora não fico querendo ter logo dezoito anos, vivo as coisas no seu tempo, cada ano passa e eu junto com ele vou envelhecendo, não sei se o mundo está envelhecendo no tempo certo, com tantos estragos é difícil afirmar, mas eu sei que estou crescendo no tempo certo, e um dia o tão esperado dezoito anos irá chegar.


Contar ou não contar... Eis a questão



Contar ou não contar... Eis a questão.


Uma garota se ver em uma situação muito delicada, tem uma coisa para contar a sua melhor amiga, mais não sabe se é o certo. Ela estaria estragando a felicidade da amiga ou estaria fazendo para o bem dela?

Eram dez e meia da manhã, a sirene para avisar o fim do intervalo acabou de tocar, os alunos se dirigiram para as suas salas, exceto duas, Rafaela e Bruna, que decidiram ir ao esconderijo do colégio.
_ Amiga vamos logo, preciso te contar uma coisa._ disse Rafaela muito animada puxando Bruna pelo braço.
_ Calma amiga, assim você vai acabar me deixando sem braço. _ Bruna disse, enquanto corria e ria com a amiga.
Ao chegar Rafaela se sentou em uma das janelas e começou a contar o quanto estava feliz, enquanto Bruna via pela outra janela uma cena de ficar com a boca aberta.
_ Ele é lindo amiga, estamos juntos há uma semana e ele finalmente resolveu assumir para todos que estamos juntos, ele é o menino mais bacana que eu já conheci, dessa vez não vou me decepcionar como sempre.
Bruna ouvia a amiga, sem da muita atenção, a cena que ela estava vendo sim era motivo para fofocar.
_ E então Bruna o que você me diz._ ela disse tentando alerta a amiga que essa era a hora em que ela pedia mais detalhes, pulava de alegria.
_ E qual é o nome dele amiga. _ Bruna perguntou.
_ Felipe amiga._ ela respondeu se derretendo toda.
_ O Felipe do 1º ano?_ Bruna gritou, mais não era um grito de alegria, curiosidade, era um grito de espanto e no fundo ela estava pedindo para não ser.
_É amiga, ele é um gato NE.
_ Não, isso não pode está acontecendo._ Bruna disse sem saber quais palavras tinham saído da sua boca.
“E agora o que eu faço, conto ou não conto que enquanto ela se derrete, ele está se agarrando com uma garota nesse exato momento", Bruna pensou, olhando ainda mais para a cena a sua frente.
_ Amiga se você visse o namorado da amiga com outra, o que você faria?_ Bruna perguntou.
_ Se ela tivesse se derretendo como uma boba por ele, eu contaria, como eu ia deixar minha amiga fazer papel de idiota._ Rafaela respondeu a pergunta da amiga, sem entender muito o que estava acontecendo, ela saiu de onde estava sentada e quis saber o que tanto a amiga olhava pela janela, que nem prestou muito atenção nela.
Ela tentou ver, mas Bruna não deixou.
_ O que está acontecendo, me deixar ver o que tanto você observa._ Rafaela disse, tentando distrair a amiga para dar uma olhada.
_ Têm certeza que você quer ver?_ Bruna perguntou, antes de liberar a visão da janela, ela pediu muito para que a amiga não visse, pelo menos não até ela saber como contar, mas Felipe ainda estava aos beijos com a garota e Rafaela viu tudo.
_ Agora eu entendi o porquê da sua pergunta, e do seu espanto guando eu disse o nome dele._ Rafaela despejou como se a culpada de tudo fosse a amiga.
Depois de uma hora chorando o estresse passou, Rafaela pediu desculpas a Bruna, e as duas foi lá falar com o idiota do Felipe.
Ele ficou envergonhado, e aprendeu à lição, ele não ficou nem com uma e nem com outra, e as garotas da escola demoraram a cair novamente nas conversas dele.

P.S O que você faria se estivesse nessa situação, contaria ou não contaria?
Esse texto foi feito para a edição visual do bloinquês.