segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Conversa De Diário




Parece loucura, eu sei que não é real, é meio complicado, mais sou tão sozinha e tímida que prefiro derramar as minhas palavras em meio às lágrimas que escorrem sem parar dos meus olhos e se misturam nas folhas desse diário, junto com a tinta preta da caneta que já está chegando ao fim.
Oh! Querido diário,
Se o nosso coração tivesse o poder de escolher quem vamos amar, assim como ele tem o poder de amar e ser amado intensamente, tudo seria mais fácil.
Porque a gente nunca sabe de quem vai gostar, assim seria mais fácil preparar os sentimentos, e deixar um lugar reservado para quando ele for despedaçado, ser montado novamente como o nosso quebra cabeças preferido, que deixamos em um canto pronto para ser montado a qualquer momento.
Como eu queria remontar aquele momento, as nossas vozes se misturando com o vento, às mãos dele no meu cabelo, o beijo tão doce, tudo tão típico de uma cena de amor.
Eu preferia que tudo não passasse de um sonho, assim eu poderia voltar a dormir e tentar sonhar novamente, o que dói mais é saber que tudo foi real, mais passageiro, talvez a culpa seja minha por transformar tudo em uma linda história de amor, se simplesmente eu o beijasse e esquecesse tudo depois, a dor seria menor, ela nem sequer existiria no meu coração, eu estaria feliz e seguindo em frente como qualquer garota normal.
Repito para mim várias vezes, e escrevo para não resta dúvidas:
Você tem certeza que foi real? Pode ter sido apenas um sonho.
E a resposta é sempre a mesma, aquela que sempre vem primeiro porque está escrito bem aqui, no meu eterno companheiro de conversa, o diário.
“Foi real naquele momento, eu que transformei tudo em um sonho que nunca existiu.”